Carlos Furtado, Ex-Cheganos Oficiais

Chega dos Açores acusado de falsificação de resultados eleitorais e de uso indevido de dados pessoais

O Chega nos Açores disse através do Telejornal do arquipélago que as eleições do passado dia 6 de novembro, para eleger o Presidente do partido e os Delegados ao IV Congresso Nacional, tiveram uma participação de 64% num universo de 146 militantes com capacidade para votar, o que foi visto como um aumento colossal em relação aos 5 atos eleitorais anteriores do Chega nacional e regional que se registaram nos Açores, onde a média de participação teria sido a rondar os 15% de votos.
Carlos Augusto Furtado, ex-líder açoriano e deputado independente no parlamento regional, vai mais longe e acusa o partido de André Ventura de falsificação de resultados eleitorais:

Falsificação de resultados eleitorais é crime, uso indevido de dados pessoais para qualquer fim, incluindo este, também é crime, a confirmar-se que esta anormalidade de participação eleitoral foi resultado de ato criminoso, os responsáveis deveriam ser julgados civilmente. Confirmo que nos atos eleitorais que se realizaram nos Açores, com a mesa dirigida pelo João Martins, com todo o rigor, a participação da militância nunca chegou a 20% e confirmo também que das aproximadamente 30 pessoas que votavam habitualmente, mais de 10 já saíram do partido, enfim, no meu tempo as coisas eram feitas de forma séria.

PODE QUERER VER TAMBÉM:

Deputado do Chega defende Governo dos Açores no “circo mediático de populistas e meias verdades”: “Dinheiro não vem pelo melhor caminho”

Ex-Deputado do Chega Açores comenta os resultados “É anedótico ver cantar vitórias em pleno cenário de derrotas”

Deputado do Chega nos Açores revelou que já foi vacinado mas depois apagou a mensagem, será que lhe cresceu uma cauda?

Partilhe

Leave a Reply