Cheganos Oficiais, Marcus Santos

Vice-Presidente do Chega na Maia ataca a Igreja “não abre mão das riquezas acumuladas na terra para ajudar os necessitados”

Marcus Santos, Vice-Presidente da Concelhia do Chega na Maia, que no final de maio publicou na sua página (depois apagou) imagens de vários ataques de cariz racista de que foi alvo por parte de dissidentes do Chega da Maia, questiona agora se tudo é racismo.
O brasileiro, que imigrou “ilegalmente” aos 18 anos para os EUA, tem a sua esposa e dois alunos na concelhia, ataca as posições da igreja: “não abre mão das riquezas acumuladas na terra para ajudar os necessitados”.
Pedro Magrinho, o PSP que vai ser candidato do Chega a uma freguesia de Loures, publicou uma imagem com a perda dos direitos das mulheres no Afeganistão e escreveu:

Não sabemos o que o futuro nos reserva e parece utópico olhar para a frente com otimismo…

Um seguidor de Pedro Magrinho comentou:

Já tavamos mal com o covid!!! Nem quero pensar o que virá por si….
Enfim… Portugal abre sempre às pernas.

Esse seguidor foi confrontado por outro facebokiano:

ÉS RACISTA.

UM VERDADEIRO CATOLICO NÃO REJEITA NINGUÉM
COMO JESUS CRISTO DIZ VINDE TODOS A MIM E PERANTE SEU PAI SOMOS TODOS IGUAIS

O que motivou a intervenção de Marcus Santos:

tudo agora é racismo 🙈
Será que o papa é racista?
A igreja não abre mão das riquezas acumuladas na terra para ajudar os necessitados…
Quantos refugiados o Vaticano vai acolher?
Sou cristão mas não sou hipócrita, sou protestante.
E negão 🙈💪🏾😁

PODE QUERER VER TAMBÉM:

Vice-Presidente do Chega na Maia alvo de ataques racistas por parte de membro do Chega na Maia

Candidato do Chega à Maia é contra os amiguismos e tachos? A sua lista é composta por família, amigos e funcionários

Jurista reagiu à mensagem de André Ventura “Este incitamento ao ódio à comunidade cigana é crime”

Partilhe

Leave a Reply