André Ventura, Cheganos Oficiais

Observador sugere aos eleitores neutrais o voto no Chega! André Ventura é a favor de aumentar o apoio aos desempregados?

O Votómetro do Observador, ferramenta interativa que permite descobrir com que partidos se identifica mais nestas legislativas, não é uma recomendação de voto, mas pretende ser uma ajuda à reflexão, no entanto deu que falar hoje nas redes socias, pois quem escolher sempre a opção Neutro tem o partido de extrema-direita Chega como sugestão.
Mas quais são as posições do partido de extrema-direita que o fazem ser em 21 perguntas a escolha “Neutra”?
Só duas posições são neutras, e estranhamente afinal o Chega não é totalmente contra o Aborto e tem tendência a concordar com o aumento de apoio aos desempregados (posição duvidosa, pois nas suas 100 Medidas de Governo, até pretende instaurar serviço comunitário obrigatório durante a concessão de subsídio de desemprego).

As perguntas do Votómetro do Observador e as “posições” do Chega

1 — As restrições às liberdades fundamentais dos cidadãos são justificáveis no combate à Covid 19.
Chega: Discordo totalmente

Em comunicado, a direção nacional do Chega “manifesta-se frontalmente contra novas restrições que sacrifiquem a mobilidade, os negócios ou as famílias”.“Perante o previsível aumento de casos, o Governo devia ter reforçado a capacidade do SNS, nomeadamente na vertente do internamento e consultas de especialidade. Isto, não obstante todos os avisos, não foi feito na altura adequada”, lê-se na nota”. + Votou contra quase todos os estados de emergência, votando a favor num.

2 — A interrupção voluntária da gravidez até às 10 semanas (aborto) deve ser permitida.
Chega: Tendo a discordar

André Ventura afirma: “Não sou eticamente a favor do aborto. Mas se me perguntar se sou capaz de permitir que no meu país haja um processo crime contra uma mulher que abortou, não sou. Portanto, jamais pediria essa revisão.”

3 — Os casais homossexuais não devem poder adoptar crianças em igualdade de circunstâncias com os casais heterossexuais.
Chega: Concordo totalmente

Ponto 40 da pág. 11 do PE 2021: “40. FAMÍLIA NATURAL. O CHEGA respeita outros modelos diferentes de partilha de vida comum, porém considera a família natural, baseada na relação íntima entre uma mulher e um homem, uma realidade psicossociológica e socioeconómica anterior ao Estado, historicamente estável e humanamente insubstituível. Nela é transmitida a vida e todo um conjunto de equilíbrios afetivos, emotivos e comportamentais, assim como de saberes, tradições e património que sustentam a dignidade e prosperidade dos indivíduos e dos povos”.

4 — O Estado deve garantir os meios para que todos os cidadãos tenham acesso a cuidados de saúde, independentemente do prestador de serviços (público, privado ou social).
Chega: Tendo a concordar

Pág. 3 do PE 2022: “O CHEGA reformará o sistema nacional de saúde guiado por razões de eficiência, qualidade, análise de custo-benefício e melhores práticas através de compromissos e concorrência equilibrados entre os setores público, privado e social. Incentivaremos a contratualização, parcerias público-privadas ou modelos de gestão por objetivos, bem como a possibilidade da generalização do modelo da ADSE.”

5 — A morte medicamente assistida (eutanásia), se esta for requerida por um cidadão com uma doença grave, incurável e que cause sofrimento, deve ser permitida.
Chega: Discordo totalmente

A última palavra “cabe aos portugueses e não a um grupo de deputados” mas o presidente do Chega defende ainda que “a morte assistida é o caminho mais fácil para uma desresponsabilização da sociedade, uma vez que, desta forma, a sociedade se retira da responsabilidade de cuidar de quem mais precisa de cuidados e proteção”.”

6 — O aumento do número de imigrantes em Portugal é necessário e positivo para a economia.
Chega: Discordo totalmente

Pág. 4 do PE 2022: O CHEGA defende que aqueles que a sociedade portuguesa acolher terão de ser sempre enquadrados numa política de imigração regulada, criteriosa, assente nas qualificações, nas reais necessidades do mercado de trabalho e na mais-valia que os imigrantes poderão trazer ao país. A falta de mão-de-obra deve combater-se, em primeiro lugar e acima de tudo, dignificando os trabalhadores portugueses e não obrigá-los a competir com estrangeiros subjugados a salários de miséria.

7 — Em Portugal, os criminosos mais violentos devem ser punidos com maior severidade.
Chega: Concordo totalmente

Pág. 2 do PE 2022: O CHEGA promoverá o aumento da moldura penal máxima, designadamente a prisão perpétua para crimes violentos, homicídios, terrorismo e crime organizado, corrupção e crimes sexuais contra menores.

8 — Os impostos sobre veículos automóveis e gasóleo/gasolina devem aumentar, a fim de diminuir as emissões de dióxido de carbono para a atmosfera.
Chega: Discordo totalmente

“O líder do Chega defendeu hoje que os impostos sobre os combustíveis devem ser reduzidos, de forma a responder ao aumento do preço da energia, considerando que as medidas apresentadas pelo Governo não resolvem “absolutamente nada””.

9 — A imigração dilui a identidade nacional e as sociedades multiculturalistas trazem riscos associados à segurança e coesão dos países.
Chega: Concordo totalmente

Pág. 4 do PE 2022: O CHEGA baseia a sua política de imigração no bom senso e no respeito pelos equilíbrios sociais, económicos, culturais e identitários seculares do povo português contra as nefastas ambições multiculturais e globalistas de socialistas e demais esquerda. O CHEGA recusa fazer da substituição demográfica dos portugueses por não-portugueses a resposta à queda da natalidade.

10 — A introdução do Euro (moeda única) foi muito positiva para a economia portuguesa.
Chega: Neutro

“Não defendemos, como fica claro, qualquer movimento de retirada de Portugal da União Europeia ou da moeda única. Defendemos e defenderemos em Bruxelas, como já referido, um regresso à Europa das quatro liberdades fundadoras + Euro ou seja, à Europa das Nações. Contudo, se a deriva federalista se agravar de forma a que se torne impossível um retrocesso, então lutaremos, sem tréguas, para que Portugal se retire da União Europeia e da Moeda Única”.

11 — Os apoios sociais existentes (ex: rendimento social de inserção) devem ser mantidos ou aumentados.
Chega: Discordo totalmente

Pág. 1 do PE 2022: “O esgotamento das classes médias e baixas, dos que trabalham e cumprem, dos portugueses-de-bem, é consequência do uso e abuso da atribuição de benefícios sociais, subsídios e demais vantagens a uns a troco de benefícios eleitorais ou materiais, que se traduzem sempre em encargos suplementares para outros revertidos no agravamento de impostos”

12 — A despesa pública em educação e saúde deve ser aumentada.
Chega: Tendo a discordar

Assumem particular relevo nos sectores do Ensino, Saúde e Segurança Social. São essas funções sociais que se encontram na base de um modelo de Ensino e de Saúde universais e gratuitos, ambos assentes, contudo, numa saudável e livre concorrência entre Público e Privado, como acontece na generalidade dos países europeus.

13 — O Estado deve aumentar o apoio a desempregados.
Chega: Tendo a concordar

Programa político 2021: “Sensibilidade social. Valores morais, princípios cívicos, princípios políticos e mecanismos de proteção e promoção social dos Portugueses, em especial dos mais carenciados, estão omnipresentes no programa político e práticas do CHEGA e, no capítulo da economia, são direcionados para o estímulo ao emprego, assistência aos carenciados, acesso universal e inalienável ao ensino, saúde, assistência na velhice e no desemprego, e apoios em situações de crise social.”

14 — A integração europeia deve ser ainda mais aprofundada.
Chega: Tendo a discordar

“Mas uma diluição de todos em todos e de tudo em tudo, apenas poderá acelerar e tornar irreversível esse mesmo caminho (de decadência) que inevitavelmente nos fará tombar nessa vala comum da “falência de tudo, por causa de todos, falência de todos, por causa de tudo”. E porque recusa, firmemente, essa vala comum de uma Europa massificada, a Coligação BASTA assume, como seu solene compromisso em Bruxelas, em Estrasburgo e onde possa ser necessário defender, de forma inequívoca, a soberania nacional e o respeito pelos valores da cultura europeia, bem como um nivelamento do peso de cada uma das nações na tomada de decisões”.

15 — Os impostos sobre as empresas devem ser reduzidos.
Chega: Concordo totalmente

Pág. 2 do PE de 2022: “O CHEGA reduzirá os impostos diretos (IRS e IRC) de modo a estimular o crescimento económico.”

16 — A TAP tem um papel estratégico para Portugal e deve ser mantida, mesmo que isso implique gastar dinheiro público.
Chega: Tendo a concordar

“A IL não quer saber de Portugal, só quer saber do lucro. Não interessa saber se as rotas estão asseguradas para a diáspora ou não. A IL ignora que há imigrantes que fazem as rotas três vezes por mês para Portugal e, se a TAP for totalmente privatizada, podem não conseguir. Ignoram que há rotas que têm que ser mantidas por interesse estratégico de Portugal. A solução para a TAP tem que passar, seja ela privada ou pública, por garantir que há interesses estratégicos que a TAP tem que assegurar. Não podemos deixar que Madrid se torne o centro da Península Ibérica.” E: “”Ao mesmo tempo, continuamos sem saber os custos brutais desta reestruturação, bem como sem um limite claro ao dinheiro que os contribuintes gastarão com a TAP. Tem de haver um limite aos gastos públicos, ou a TAP tornar-se-á o maior sorvedouro existente de dinheiros públicos”, afirmou”. Debate CH vs. IL 9 Janeiro, 2022

17 — A idade da reforma deve baixar, mesmo que isso tenha custos para a sustentabilidade da segurança social.
Chega: Neutro

André Ventura no Parlamento: “Sr. Presidente, Sr. Primeiro-Ministro, no início do seu mandato disse o seguinte: a idade da reforma não é para mexer. Pois todos sabemos como a idade da reforma aumentou esta semana! Pergunto-lhe, olhos nos olhos, se num país que dá borlas fiscais à EDP, que esbanja dinheiro no Novo Banco que nunca mais acaba, que paga subvenções vitalícias a presos que continuam a cumprir pena, se sente bem com serem os pensionistas a pagar a fatura da crise? Pergunto-lhe se consegue viver com isso e pergunto-lhe se podemos considerar que a reforma vai aumentar ainda durante o tempo do seu mandato.”

18 — O Governo deve intervir no mercado de arrendamento, por exemplo promovendo a construção de habitação pública, para proteger os inquilinos.
Chega: Tendo a concordar

Ponto 5 do PE 2022: “O CHEGA defende, para os concelhos com perda de população, que os planos diretores municipais (PDM) prevejam áreas urbanizáveis para construção de habitação a custos acessíveis. O CHEGA diminuirá o custo de acesso à habitação, fazendo cumprir prazos de licenciamento razoáveis e eliminando exigências técnicas injustificadas na construção de habitações em espaço rural.”

19 — Os rendimentos de capital (ex: bolsa, depósitos bancários, investimento imobiliário) e as grandes fortunas devem pagar mais impostos.
Chega: Discordo totalmente

Programa Político 2021: “O Chega privilegia os impostos sobre o consumo em detrimento dos impostos sobre o rendimento e sobre a propriedade.”

20 — O Estado deve garantir que os cidadãos têm liberdade de escolher a escola dos seus filhos (pública ou privada), utilizando, por exemplo, um “cheque-ensino”.
Chega: Concordo totalmente

Programa político 2021: “Liberdade de ensinar e de aprender. Esta liberdade, constitucionalmente garantida, exige que a gratuidade do ensino obrigatório não se constitua como um privilégio do ensino público, mas que seja extensiva ao ensino privado e cooperativo como, aliás, sucede em vários países europeus caso da Bélgica, só a título de exemplo.”

21 — O uso de drogas leves para fins recreativos deve ser legalizado
Chega: Discordo totalmente

André Ventura na AR: “O que a esquerda não quer dizer ao País é que o consumo diário, ou quase diário, que significa a dependência, tem vindo a aumentar a cada ano que passa e que a solução que apresentamos para o País é legalizar o consumo e o uso recreativo destas drogas. É o mesmo que dizer «se o Estado nãoconsegue, então vamos liberalizar», «se o Estado não consegue, então vamos legalizar». Seria o mesmo que dizer «se não conseguimos resolver a prostituição, legalizamo-la toda e sem problemas», «se não conseguimos resolver o terrorismo, por que razão não fazemos a mesma coisa?» […] Há duas direitas em Portugal: há uma direita sempre disponível para dar a mão à esquerda e à extrema-esquerda e para dizer que está lá para liberalizar as drogas, para liberalizar a prostituição, para liberalizar tudo o que seja para liberalizar, e há outra direita […] Dizia eu que há outra direita que vai lutar pelas famílias, pelo trabalho, pelos portugueses de bem, que vai lutar contra este espírito intolerável de destruição da sociedade e pela proteção das famílias. Contem connosco! Vamos lutar aqui, nas ruas e em todo o lado contra este espírito de destruição do Portugal de bem e dos portugueses de bem.”

PODE QUERER VER TAMBÉM:

Paulo Ralha, o candidato a deputado do Chega, defende o Aborto, Eutanásia, acusado de Fraude, condenado por Difamação

Candidata do Chega por Vila Real foi envolvida na polémica dos “deputados com presenças-fantasma” e demitiu-se porque não seguiu a disciplina de voto

Chega diz que a Iniciativa Liberal é de Esquerda porque votou a favor da Eutanásia! Chega votou ao lado do PCP!

Partilhe

Leave a Reply