Bruno Nunes, Cheganos Oficiais, Pedro Magrinho

Candidato do Chega a freguesia de Loures se for eleito vai escolher entre ser policia ou autarca

O candidato do Chega à Câmara Municipal de Loures, Bruno Nunes, garantiu ao Expresso que a candidatura de Pedro Magrinho foi validada pelo Tribunal Administrativo da comarca local, obteve parecer favorável da Comissão Nacional de Eleições (CNE), da sua superior hierárquica em Sintra e da própria Direção Nacional da PSP.
No entanto a PSP negou ontem em comunicado que a Direção-Nacional daquela polícia tenha autorizado Pedro Magrinho a ser candidato autárquico até porque a Lei eleitoral dos órgãos das autarquias locais (Lei Orgânica n.º 1/2001, de 14 de agosto) proíbe que os polícias na situação de ativo (ao serviço efetivo) sejam candidatos a órgãos do poder local, e por esse motivo irá instaurar um inquérito.
“O anúncio da instauração de um processo por parte da PSP ao nosso candidato autárquico em nada colide com a sua elegibilidade”, afirma Bruno Nunes, sustentando que foi “a própria Direção Nacional da PSP que aprovou o pedido de licença sem vencimento, solicitada a 29 de julho, por Pedro Magrinho, durante o período de campanha, no mês de setembro” disse o candidato do Chega a Loures ao Expresso, garantindo que não haverá retrocesso e se o chefe da esquadra de Sintra for eleito, terá de escolher entre ser autarca ou polícia, o que vale é que em qualquer das duas situações pode manter o posto de Presidente da Federação Nacional dos Sindicatos de Policia.
Apesar de ainda estar na fase de ser policia sem pedido de licença, Pedro Magrinho, já iniciou a sua campanha autárquica no Facebook:

“Não acredito em palavras, acredito em ações…”
A vida é feita de desafios, convicções e muitas vezes de coragem. Quem me conhece sabe bem aquilo que defendo, aquilo em que acredito e que procuro sempre o melhor para aqueles que me rodeiam. Chegou mais um momento para assumir publicamente o caminho que julgo correto, de me aproximar mais das pessoas, defender outras causas, procurar o bem-estar social e a segurança ideal para a comunidade, dando a “cara” publicamente em torno de uma causa.
Em breve, esta será a minha imagem pública de um novo projeto, mais uma vez de natureza política (que não hesitei em aceitar), em torno de um projeto sólido, sério, promissor com uma equipa fantástica e no caminho certo para uma mudança que cada vez mais se mostra inevitável em Portugal. Sabem que as palavras desaparecem com o tempo, mas as ações perduram para a eternidade, e eu, quero deixar uma marca, quero que o passado não se repita e abrir as portas para o futuro.
Espero contar com o apoio dos familiares, amigos e de todos aqueles que se identificam com a ideia e que demonstram a resiliência necessária para a mudança. Estará por dias a publicitação. Aqueles que me acompanham serão os primeiros a ser, por mim, informados, porque estão comigo e fazem parte da minha vida.

PODE QUERER VER TAMBÉM:

Correio da Manhã escamoteou notícia e afinal a PSP não autorizou o Presidente do Sindicato da Polícia a ser candidato do Chega e vai instaurar inquérito

Líder de Sindicato da Polícia quer que o Chega seja ilegalizado e diz que há quem pague para ser deputado

Racismo ou Má formação? Uma Chefe da polícia agride passageiro “sem bilhete” com pontapé nas “partes baixas” (vídeo)

Partilhe

Leave a Reply