André Ventura, Cheganos Oficiais

Acórdão do Tribunal Constitucional pode lançar caos no Chega e colocar em causa a escolha dos candidatos autárquicos

O Tribunal Constitucional não validou os Estatutos do Chega aprovadas na sua Convenção Nacional de 19 e 20 de setembro de 2020, pelo facto de não ter ficado claro na convocatória que iam ser efetuadas alteração de estatutos.
O Chega está agora obrigado a realizar um congresso extraordinário pelo facto de ter alterado os estatutos e criado órgãos novos sem informar os militantes de que iria fazê-lo durante a reunião-magna realizada em Évora, em setembro do ano passado.
Esta decisão pode lançar o Chega no caos, pois as deliberações da Comissão de Ética, ao suspender dezenas de militantes, em alguns casos com propostas de expulsão ao Conselho de Jurisdição, são consideradas nulas, o que pode motivar que qualquer militante impugne estas decisões e, no limite, segundo explicaram alguns juristas à revista Visão, colocar até em causa a escolha dos candidatos autárquicos do partido.
Mas não é só a Comissão de Ética do Chega, que não publica nenhuma decisão há dois meses, que está ilegal, a Juventude Chega, os Secretários, o aumento no número de vice-presidentes e de adjuntos, e as novas regras de eleição do presidente do partido terão de ser novamente votadas.

PODE QUERER VER TAMBÉM:

Ex-Presidente do Chega Porto vai exigir responsabilidades à ilegal Comissão de Ética e ao “sujeito que nem pai sabe ser”

Há quem consiga ser expulso do Chega ainda antes de receber o cartão de militante

Fundador do Chega demite-se devido ao Partido de André Ventura ter-se ajoelhado perante o Lobby Gay

Partilhe

Leave a Reply